- Europe Direct Bragança - http://europedirectbraganca.ipb.pt/wp -

Prémio de Jornalismo «Fernando de Sousa»: anúncio dos vencedores da quinta edição

O anúncio dos vencedores da quinta edição do Prémio de Jornalismo «Fernando de Sousa teve lugar, hoje, 9 de maio, no Jardim Público de Évora, integrado nas  comemorações do Dia da Europa organizadas pela Representação da Comissão Europeia em Portugal com o apoio da Câmara Municipal de Évora. O anúncio pode ser revisto no Facebook e no Twitteratravés do #PrémioFernandodeSousa.

Elisa Ferreira, Comissária europeia para a Coesão e Reformas, Sofia Moreira de Sousa, Representante da Comissão Europeia em Portugal, e Carlos Pinto de Sá, Presidente da Câmara Municipal de Évora, anunciaram os resultados da avaliação do júri de seleção: uma menção honrosa e um vencedor em cada uma das categorias.

Vencedores da quinta edição do Prémio de Jornalismo «Fernando de Sousa»

Categoria «Estudante»:

«O combate europeu ao frio que nos desune»

Autoria: Maria Nunes, Bianca Gregório, Inês Sousa e Talismã Xavier / Website da entidade de ensino e P3

Estudantes de Comunicação e Jornalismo, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa

Professora responsável: Carla Rodrigues Cardoso

Sinopse: Reportagem multimédia que visa retratar diferentes realidades da União Europeia relativamente ao conforto nas habitações e a sua eficiência energética. Mostra como vivem seis famílias, três em zonas rurais e três em áreas urbanas, de três Estados-Membros da UE. Selecionámos Portugal (um dos piores países no índice de conforto energético), Espanha (representa a média europeia) e Suécia (tem dos índices mais elevados de conforto energético) e incluem-se ainda entrevistas com uma variedade de especialistas e de decisores políticos, a nível português e europeu.

Categoria «Regional»:

«Este mar que a UE nos deu»

Autoria:Afonso Ré Lau e Maria José Santana / Aveiro Mag

Sinopse: Numa altura em que os holofotes começam a virar-se para o novo fundo europeu dos assuntos marítimos e da pesca, é tempo de fazer balanços ao anterior fundo e aos investimentos que ele ajudou a concretizar. A Aveiro Mag foi ao encontro de investigadores, empresários, dirigentes associativos e autarcas da região, de forma a dar a conhecer alguns dos projetos financiados e esclarecendo os leitores quanto às oportunidades que a União Europeia tem trazido à economia do mar na região.

Categoria «Nacional»:

«O Que Ficará dos Fundos Europeus»

Autoria: Anabela Almeida / RTP1

Sinopse: Desde que aderiu à então CEE, em 1986, Portugal recebeu mais de 120 mil milhões de euros em fundos comunitários. Ao longo de 35 anos, estas verbas foram decisivas para a modernização e desenvolvimento do país e para a melhoria das condições de vida dos portugueses. De Norte a Sul, do continente às ilhas, trazemos exemplos de como eles contribuem para um Portugal inovador. Mas vamos também ao encontro de casos menos positivos, das lições que ficaram e de como elas são essenciais para o futuro. Até ao final desta década vamos receber praticamente metade das verbas que chegaram ao longo de 35 anos. Saberemos aplicá-las?

Menções honrosas da quinta edição do Prémio de Jornalismo «Fernando de Sousa»

Categoria «Estudante»:

«Um bar chamado Europa»

Autoria:Diana Gomes e Adriana Alves / REC

Estudantes de Jornalismo, Escola Superior de Comunicação Social – Instituto Politécnico de Lisboa

Professora responsável: Teresa Abecasis

Sinopse: Nascido nos anos 70, numa altura em que Portugal dava os primeiros passos na democracia e abria os olhos para o mundo, o Bar Europa, em tempos um espaço de marinheiros e prostitutas, é hoje o ponto de encontro de um público heterogéneo e multicultural. Para Vítor, Pedro, Mia, Afonso e Tassos, o Bar Europa é um espaço de união. Será que olham para a União Europeia da mesma forma?

Categoria «Regional»:

«Filhos de um deus menor encontram futuro na formação profissional»

Autoria: Paulo Leitão / Centro TV

Sinopse: A associação ARCIAL trabalha com jovens e adultos com problemas de deficiência desde 1980 e tem apostado na criação de cursos profissionais para os habilitar com ferramentas para enfrentar o mundo do trabalho. A ARCIAL intervém ativamente na comunidade, permitindo a reabilitação do indivíduo através da integração social, ocupacional, formativa e profissional, promovendo a cidadania e o bem-estar. Fomos conhecer a realidade destes cursos e depois a integração dos formandos na realidade do dia a dia profissional.

Categoria «Nacional»:

«Cinco dias de viagem no mais europeu dos comboios»

Autoria: Ruben Martins, Carlos Cipriano e Diogo Ferreira Nunes / Público

Sinopse: Um comboio (que na realidade são três) ligou a Europa sobre carris no Ano Europeu do Transporte Ferroviário. Neste trabalho, contamos o dia a dia de uma viagem, através do relato a bordo do Connecting Europe Express, num trabalho que inclui também podcasts gravados no comboio e fotografias de cada um dos maquinistas desta operação. Este foi um projeto da Direção-Geral da Mobilidade e dos Transportes da Comissão Europeia que mostrou o potencial da ferrovia, mas também as suas falhas numa Europa que se quer sem fronteiras ou barreiras internas.

Numa democracia saudável e próspera, os cidadãos podem exprimir livremente os seus pontos de vista, escolher os seus líderes políticos e ter uma palavra a dizer sobre o seu futuro. A democracia enfrenta desafios como o aumento do extremismo, a ingerência nas eleições, a difusão de informações manipuladoras e ameaças a jornalistas. Este Prémio insere-se no compromisso da Comissão Europeia, reafirmado a 3 de maio, Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, para com a defesa da liberdade e do pluralismo dos meios de comunicação social dentro e fora da União Europeia. Em 2020, pela primeira vez, a Comissão apresentou uma abordagem europeia abrangente para os meios de comunicação social, no Plano de Ação para a Democracia Europeia e no Plano de Ação para os Meios de Comunicação Social e Audiovisual (MAAP), visando impulsionar os meios de comunicação europeus e ajudar a manter a autonomia cultural e tecnológica europeia na Década Digital. A Comissão adotou um pacote para combater as ações judiciais estratégicas contra a participação pública, proporcionando aos jornalistas e aos defensores dos direitos humanos instrumentos para combater os processos judiciais abusivos. Ainda este ano, a Comissão Europeia adotará também a Legislação Europeia sobre a Liberdade dos Meios de Comunicação Social, que consagrará, pela primeira vez, na legislação da UE salvaguardas para proteger o pluralismo e a independência editorial dos meios de comunicação social. A Comissão Europeia continua igualmente a prestar apoio financeiro para promover a liberdade e o pluralismo dos meios de comunicação social, através de instrumentos como a “News initiative” e o programa Europa Criativa.

Contexto:

Prémio de Jornalismo «Fernando de Sousa, promovido pela Representação da Comissão Europeia em Portugal no âmbito do respeito pela liberdade e o pluralismo da comunicação social, é atribuído a jornalistas e a estudantes do ensino superior de cursos de jornalismo ou comunicação social que tenham contribuído de forma notável para clarificar questões importantes a nível europeu ou que tenham promovido um melhor conhecimento das instituições ou políticas da União Europeia em Portugal. Serve, ainda, para homenagear o jornalista Fernando de Sousa (1949-2014), protagonista de uma longa e marcante carreira dedicada aos assuntos europeus. Foi atribuído pela primeira vez a 9 de maio de 2017, Dia da Europa.

A esta quinta edição, apresentaram-se um total de 63 candidaturas de jornalistas e estudantes de todo o país, numa diversidade de temas e formatos. Do total de candidaturas, 12 foram recebidas na categoria «Estudante», 18 na categoria «Regional» e 33 na categoria «Nacional». Os temas das peças apresentadas a concurso foram bastante diferenciados e refletem o ano de 2021 abrangido por esta edição, incluindo: impacto e respostas à pandemia criada pelo coronavírus, aumento de movimentos populistas e de extrema-direita, partidos políticos portugueses, sustentabilidade, energia, agricultura, integração de migrantes e refugiados, proteção de direitos fundamentais, políticas sociais, desmitificação da deficiência, empreendedorismo, Brexit, cultura e desinformação. Dessas, foram nomeados 18 finalistas, 6 em cada uma das três categorias.

A apresentação de candidaturas para esta quarta edição decorreu entre 1 de dezembro de 2021 e 9 de janeiro de 2022 para trabalhos publicados ou difundidos entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2021, desenvolvidos nas áreas de imprensa escritarádiotelevisão e Internet em três categorias:

– Categoria «Estudante»: um prémio atribuído a um trabalho produzido por um estudante do ensino superior de jornalismo ou de comunicação, ou por uma equipa de estudantes do ensino superior de jornalismo ou de comunicação.

– Categoria «Jornalista – Media Regional»: um prémio atribuído a um trabalho produzido por um jornalista detentor de carteira profissional, ou por uma equipa da qual conste um jornalista detentor de carteira profissional, e que seja publicado/difundido num meio ou órgão de comunicação social de âmbito regional ou local.

– Categoria «Jornalista – Media Nacional»: um prémio atribuído a um trabalho produzido por um jornalista detentor de carteira profissional, ou por uma equipa da qual conste um jornalista detentor de carteira profissional, e que seja publicado/difundido num meio ou órgão de comunicação social de âmbito nacional.

 

Os trabalhos foram avaliados tendo em conta os seguintes critérios, com igual peso na ponderação final:

  • atualidade e pertinência do trabalho jornalístico;
  • contribuição para a informação do público sobre políticas europeias, sendo explícito na peça o ângulo europeu;
  • clareza e relevância da mensagem transmitida e qualidade do trabalho jornalístico;
  • criatividade na escolha do tema e abordagem.

 

Prémios:

  • Categoria «Estudante»: um prémio pecuniário de 1 000 (três mil) euros;
  • Categoria «Jornalista – Media Regional»: um prémio pecuniário de 5 000 (cinco mil) euros;
  • Categoria «Jornalista – Media Nacional»: um prémio pecuniário de 5 000 (cinco mil) euros.

Composição dos júris:

Júri de Pré-Seleção:

  • Elementos da academia ou entidades externas relacionadas com o ensino de jornalismo ou com comunicação sobre a União Europeia: Filomena António (Centro de Informação Europeia Jacques Delors – CIEJD), Luís Bonixe (Repórteres em Construção – REC)
  • Elementos da Comissão Europeia: António Vicente, Daniel Rosário, Manuel Romano, Sofia Alves

Júri de Seleção:

  • A Representante da Comissão Europeia em Portugal, que preside ao júri: Sofia Moreira de Sousa
  • Um elemento da Comissão Europeia com responsabilidades na área da comunicação ou relações com a imprensa: Telmo Baltazar
  • Três representantes da classe profissional dos jornalistas em Portugal:
    • Casa da Imprensa: Goulart Machado
    • Clube de jornalistas: Rui Cardoso
    • Sindicato dos Jornalistas: Luís Filipe Simões